Segurança do trabalho, mercado em alta

A princípio, a segurança do trabalho era tratada apenas como uma formalidade das obrigações trabalhistas. No entanto, com o passar do tempo, tornou-se comum para as empresas começarem a perceber que cuidar da saúde, da integridade e do bem estar de seus funcionários são pontos preciosos para a sua imagem e também para a produtividade do empreendimento.
Com esta mudança na mentalidade dos empregadores foi natural que se desenvolvesse um mercado relacionado à segurança do trabalho, despontando como um mercado que está em contínua expansão, praticamente imune aos efeitos da crise. De acordo com especialistas, o setor tem apresentado boas oportunidades e salários bastante atraentes.
Entre as principais áreas de estudos contempladas para essas profissões estão a engenharia, medicina e enfermagem com alguma especialização obtida normalmente em cursos de pós-graduação. Há também diversas opções e alternativas para os técnicos de nível médio.
Diferentes setores
Cursos como engenharia já vinham experimentando uma maior diversidade de ofertas de emprego, mas é na área de segurança do trabalho que a valorização se tornou ainda maior. Afinal, um atraso em uma entrega pode ser considerado algo menor do que um acidente causado pela falta de cuidados do empregador.
No ramo da eletricidade, por exemplo, regras regulamentadoras, como a NR 10, garantem que profissionais da área que necessitem de conhecimentos específicos prevejam a sua própria segurança. Para isso, existem cursos que visam preparos profissionais para a vivência e execução de tais regras e normas.
Facilidade no mercado do trabalho
A demanda tem crescido tanto que o mercado de trabalho está atento e à procura destes profissionais. Até mesmo os estudantes já possuem grandes oportunidades dentro das empresas. Para muitos, o diploma já vem com excelentes opções de emprego em algumas das grandes empresas do Brasil.
Segundo dados da Associação Brasileira de Medicina do Trabalho (ABMT), o setor tem adquirido tamanha importância que muitos profissionais da área médica optam por estudar segurança do trabalho, deixando para trás, de modo considerável, outros especialistas, como cardiologistas e ortopedistas.

Fonte: Agora MS